03 maio 2013

Ainda sobre a Paixão

O feedback que recebi a propósito deste tema, faz-me voltar a ele.
Não acredito que exista uma só pessoa que não tenha tido uma paixão, um sonho, ao longo da vida.
Conheço pessoas que foram apaixonadas por desenhar, observar formigas, apanhar borboletas, andar de baloiço, desmontar brinquedos, fazer puzzles, jogar à bola... sonharam dar a volta ao mundo, ser astronautas, veterinárias, cantoras, enfermeiras, polícias...
Algumas desviaram-se, perderam-se, esqueceram-se dessas paixões e sonhos. Umas, encontraram novas paixões e novos sonhos. Outras, nem por isso.
A que grupo pertence?
Alguma coisa ou alguém o induziu a defender-se, a esconder-se, a esquecer-se das suas paixões e sonhos?
  • Talvez se tenham rido de si ou lhe tenham dito para crescer
  • Talvez saiba do que gosta e o que quer mas, tenha medo de o dizer em voz alta
  • Talvez as suas paixões e sonhos lhe pareçam ser demasiado pequenos - ou demasiado grandes - vulgares - ou incomuns - extraordinários - ou insignificantes
  • Talvez se esconda das suas paixões e dos seus sonhos, por achar que não deviam fazer parte dos seus interesses

A sua vida não tem de ter uma paixão, um sonho, um propósito. Pode ter vários! Pode ter muitos!
Você não tem de escolher as suas paixões, os seus sonhos! Não tem de escolher ser quem é! Só tem de Ser! Só tem de gostar! Só tem de sonhar!
Aquilo de que gosta, é a sua natureza! E é natural que você seja apenas, simplesmente, quem é! Sem culpas ou ansiedades! Pode haver coisa mais natural e bonita do que ser quem é?!
Descobrir e assumir aquilo de que gosta e, fazer disso profissão, hobbie ou simples conversa, é ser quem você é!
Você pode viver tudo isso, em diferentes intensidades. Escolha o que quer fazer agora, o que lhe apetece e parece razoável fazer agora. Mais tarde, escolherá o que fazer a seguir. 
As suas paixões, os seus sonhos, não têm de ser coisas grandiosas, singulares e empolgantes. Podem ser apenas correr, fotografar, cozinhar ou colar cromos na caderneta.
Também não tem de se justificar ou defender. As suas paixões e sonhos justificam-se por si mesmos: você sente-os e pensa-os. E isso é legítimo!
Se se desviou, perdeu, esqueceu as suas paixões e os seus sonhos, aceite o desafio que se segue:
1 - Pergunte-se
  • O que é que me faz sorrir?
  • Com o que é que perco tempo, sem me importar com isso?
  • O que é que faço naturalmente, sem que alguém me peça para fazer?
  • Sobre o que é que não me canso de falar?
  • O que é que faço muito bem?
  • Se soubesse que não falharia, o que é que faria que ainda não fiz?
  • O que é que faria gratuitamente, apenas porque gosto muito de o fazer?
  • Se tivesse apenas um ano de vida, continuaria a fazer o que faço agora?
Ignore a voz que lhe diz que isso é impossível. Só desta vez, permita-se pensar livremente e responda de forma espontânea. Cinco minutos de "fantasia" não lhe vão fazer mal, pois não?

Já respondeu? Boa!

2 - Recorde agora um momento feliz. Um momento em que se tenha sentido inteiro e realizado no que estava  a fazer.

Quais eram as circunstâncias? Com quem é que estava? O que é que estava a fazer? Sobre o que é que conversou? Como é que se sentiu? Do que é que gostou mais?

Talvez se tenha recordado de um momento de diversão, risos, conversa e espontaneidade com amigos. Será isso um sinal de que ambientes e actividades que impliquem contactos com outras pessoas, o apaixonam?

Ou talvez se tenha recordado de estar sozinho, a beber uma bebida quente e a ler um bom livro à janela, enquanto via a chuva a cair na rua. Será indicação de que aprender, contactar com a natureza e fazer actividades que não exijam contacto com outras pessoas, são importantes para si? Significa isso que o seu projecto de vida ou carreira deverá ter isso em consideração?

3 - Recue até à sua infância
Como qualquer criança, você sabia exactamente do que é que gostava nessa altura. Não, não eram apenas devaneios de criança. Eram, são verdadeiras pistas para (re)encontrar as suas paixões. Se não se lembrar do que gostava, pergunte aos seus pais, avós ou irmãos mais velhos.

Pode não ir a tempo de ser astronauta ou não ter voz para ser uma estrela pop. Mas, pode  integrar um clube de astronomia para amadores ou divertir-se a fazer karaoke com amigos, não pode? Seja criativo e descubra novas formas de viver essas paixões!

4 - Revele os seus valores
Os seus valores são um guia moral e pessoal.
As suas crenças são premissas das suas verdades.

Valores e crenças, juntos, determinam como vive, comunica, pensa e age. 

Deixe que os seus valores e as suas crenças se revelem em tudo o que diz e faz. E, se for necessário, reveja-os.

5 - Olhe para o futuro
Imagine a sua vida daqui a 2 anos. Se continuar a fazer o que faz hoje, a acreditar no que acredita hoje, será mais feliz quando lá chegar?
Não espera resultados diferentes se continuar a fazer a mesma coisa, pois não?!

O que é que o impede de mudar? O medo?

Deixe-me ser dramática: sabe quais são os cinco arrependimentos mais comuns dos doentes terminais? Arrependem-se de:
  • Não terem tido a coragem de viverem a vida que queriam e, em vez disso, terem vivido a vida que outros esperaram que vivessem
  • Não terem expressado mais vezes os seus sentimentos
  • Não terem mantido contacto mais frequente e próximo com os familiares e amigos
Não é tarde demais para (re)encontrar as suas paixões e os seus sonhos. Pode não conseguir vivê-los tal e qual como imaginou mas, pode ser criativo e encontrar formas de os manter vivos... de se manter vivo, vibrante, satisfeito e realizado com a vida que tem!

Quais foram/são as suas paixões? Os seus sonhos? Como é que se revelaram? Como é que os vive/pensa viver? Deixe um comentário e inspire outras pessoas a Virar a Página! ;)


1 comentário:

  1. "(...) Used to have passions and dreams that just faded away with time.
    Can't tell for sure if they're gone for good or just kept asleep deep inside me.
    I know I'm to blame for everyhting I did and did not do. I thought I had all the time in the world, but it just isn't like that. Time is the most precious thing in this life and it just slips away like fresh water on a burning desert. Don't waste it."

    ResponderEliminar